Sexta-feira, 18 de Fevereiro de 2011

2.4 Media que marcam a agenda

Não é fácil conseguir a cobertura dos principais órgãos de comunicação social, nomeadamente das televisões. Apenas uma pequena parte dos acontecimentos agendados são relatados nos órgãos de comunicação social em geral e na TV em particular.
Há, no entanto, algumas técnicas que ajudam a conseguir o objectivo de «ser notícia».

Um dos processos é marcar a agenda dos média através de um ou dois órgãos de comunicação social. Por vezes é uma técnica eficaz porque nem os próprios jornalistas/editores se apercebem deste propósito.
O motivo é simples. É que os jornalistas, além de serem produtores de notícias, são também consumidores e deixam-se influenciar pelas manchetes de outros órgãos de comunicação social.
Um outro motivo, tem a ver com a preocupação dos editores em não deixarem de fora alguns temas importantes, que já estão a ser tratados nos outros media. O medo de serem ultrapassados e que provoca o mimetismo.
Para satisfazerem esta preocupação é até frequente seguirem a mesma abordagem e recorrerem a depoimentos das mesmas pessoas. Até o comentário dos mesmos especialistas.

Em Portugal, no final da década de 90, os órgãos de comunicação social diários e de informação geral, que mais determinavam as agendas das televisões, eram a TSF, o DN e o Público.
Num levantamento efectuado durante 20 dias, em Dezembro de 1997 (10 dias no decorrer da campanha eleitoral e os restantes 10, depois das eleições autárquicas), foi avaliado o impacto das notícias dos jornais diários.
A conclusão foi a seguinte: nove notícias do DN foram repescadas por outros órgãos de comunicação social. Essas nove notícias tiveram, no mínimo, 27 citações em outros órgãos de comunicação social, nomeadamente nos principais blocos informativos das televisões.
No mesmo período, o Público teve três notícias que foram citadas por outros media. Essas notícias tiveram, no mínimo, sete referências em outros órgãos de comunicação social, inclusive televisões. (1)
Refira-se ainda que, além da repescagem das notícias, em muitas outras situações, consegue-se influenciar o ponto de vista dos jornalistas de outros órgãos de comunicação social. Um exemplo: na primeira semana de Fevereiro de 1998 o Público colocou em primeira página um “Acordo global” entre o PS e o PSD sobre a realização de três referendos. Apesar de sucessivos desmentidos, esta informação foi um eixo permanente em vários media e, num caso, num directo da SIC, o jornalista chegou mesmo a falar num acordo global entre os dois partidos.

Se uma notícia tiver grande impacto e for salientada por um dos órgãos de comunicação social que marque a agenda dos outros media é possível que seja ampliada a sua repercussão.

É uma situação que pode interessar às várias partes. Cito o jornalista Luís Miguel Viana, numa referência que vem na página do Provedor dos Leitores, de Mário Mesquita, na edição do DN de 8 de Dezembro de 1997: “«Se um jornalista chegar hoje às redacções (…) e disser que teve acesso, em primeira mão, através do gabinete do ministro da Administração Interna, por exemplo, ao relatório de segurança interna (…), o seu texto terá acesso directo à primeira página (…). O que conta é que, com aquele exclusivo, o seu jornal conseguiu atingir vários objectivos que hoje são preciosos: ultrapassar a concorrência directa; reforçar os canais que permitem ter acesso a informação com origem no Governo; e induzir o noticiário de outros órgãos de informação que partilham a mesma cultura informativa, tais como as televisões e as rádios (deve dizer-se que, em Portugal, conseguir impor o tema do Fórum-TSF da manhã seguinte é um sinal, com muito prestígio, de que se alcançaram os objectivos pretendidos)”.

Nos dias mais recentes, há que ter em conta o surgimento de novos órgãos de comunicação, designadamente da SIC Notícias que é dos meios de comunicação social que mais condicionam os jornalistas. Devido à importância que atribui à informação, recorrendo com frequência a «directos» e ao facto de ter muitos noticiários ao longo do dia, acaba por ser uma «companhia» permanente em muitas redacções. O mesmo se passa em relação a páginas na web de alguns órgãos de comunicação social (caso do Público).

Mesmo que seja de forma empírica, muitos políticos percebem a «dinâmica» que as notícias produzem se forem publicadas em determinados órgãos de comunicação social. Em algumas situações é muito fácil. A quantidade de solicitações por telefone, a partir das Redacções, depois da difusão de uma notícia é um sinal claro do efeito de arrastamento junto dos outros media.

Este é um dos motivos porque alguns políticos têm um relacionamento privilegiado com determinados órgãos de comunicação social e reservam para eles os «exclusivos».

(1).
dia                Notícia                                                               referências*
3 DN - Jorge Coelho não participa na campanha        R. Nova; TSF, RC; SIC
4 Público - relatório europeu sobre prisões                RR;RC;TVI
5 DN - novidades na educação - bolsas                         RTP; RDP; R. Nova; RC
10 Público - obras no colégio moderno                        RC; SIC; TSF;
12 DN - sangue limpo nos hospitais                              TSF; RTP
16 DN - importado produto contaminado                   RTP; TVI RDP; TSF; RR; R. Nova
17 DN - lei incompatibilidades/autarcas                     RC
17 DN - bolsas a 50% estudantes pobres                      TSF
18 DN - artigo Pacheco Pereira                                     RR; TSF; Expresso
19 DN - recibos verdes na administração pública      RDP
22 Público - absolvido ex-secretário estado                TSF
23 DN - PS do norte conspira ao almoço                    TSF; RR; RC

publicado por rgomes às 19:52
link do post | comentar | favorito
|

.Índice

. Introdução

. A Mensagem

. 1. Uma mensagem envolvent...

. 2. A mensagem negativa

. 3. Os temas da mensagem

. 4. Uma mensagem com ident...

. 5. Uma mensagem credível

. 6.Uma mensagem simples

. 7. Uma mensagem fixa e re...

. 8. Quem marca a actualida...

. Como Difundir a Mensagem

. 1. Planeamento

. 2. A cobertura dos media

. 2.1 Seleccionar os media

. 2.10 A relação com os jor...

. 2.11 Estratégias de Ataqu...

. 2.2 Criar cenários

. 2.3 Tipo de cobertura pel...

. Comentário

. Depoimentos

. Entrevistas

. Os debates

. Reportagem

. 2.4 Media que marcam a ag...

. 2.5 O exclusivo

. 2.6 A hora certa

. 2.7 O contexto ideal

. 2.9 A importância da Tele...

. “Passar” bem na TV

. O jogo das aparências

. Comunicação Eficaz

. 2. ORGANIZAÇÃO

. As assessorias:

. 3. Publicidade Paga

. 3.1 Publicidade

. 3.10 Comícios

. 3.11 Linhas verdes

. 3.12 Censo telefónico

. 3.14. Internet

. 3.13 Tempo de Antena

. 3.2 Fotos e ilustrações

. 3.3 Panfletos

. 3.4 Outdoors e cartazes

. 3.5 Jornal Campanha

. 3.6 Newsletters

. 3.7 Cartões

. 3.8 Direct-mail

. 3.9 Faixas, panos e sacos...

. 1. O líder e a política d...

. A imagem das organizações...

Legislativas 2015
Legislativas 2011

.tags

. todas as tags

.links

.subscrever feeds