Sexta-feira, 18 de Fevereiro de 2011

Depoimentos

Nos depoimentos, a questão é mais simples, embora não menos importante.

Quando é feita a solicitação para um depoimento, uma das primeiras questões colocadas pela assessoria é saber o tema e em que condições é difundido o depoimento.

Aceite o convite, o passo seguinte é escolher a ideia principal que se quer transmitir.
Quem tem alguma experiência sabe que para conseguir este objectivo tem de centrar o seu discurso na mensagem principal e evitar dissertar sobre outros temas.

Se o depoimento for para rádio ou TV, essa ideia está sintetizada numa frase com o tempo máximo de 30 segundos. Tendo em conta o estudo já atrás referido, sobre o tempo médio das declarações de dirigentes políticos, a conclusão a que se chegou foi: o que há para dizer, em televisão, tem de ser em cerca de 20 segundos. A média - RTP e SIC - de todos os depoimentos é de 18.9 segundos. A média dos depoimentos de dirigentes políticos sobe para os 21.5 segundos.
Em rádio - Antena 1, Rádio Renascença Canal 1 e TSF - a média de um depoimento é de 24.5 segundos e, nas declarações de dirigentes políticos, a média sobe para 27.9 segundos. O estatuto de quem presta o depoimento pode fazer variar o tempo que lhe é concedido. Por exemplo, os depoimentos do Primeiro-ministro, nos três dias do estudo, no que se refere à televisão, tiveram em média 30.6 segundos. Em rádio o tempo médio subiu para os 37.5 segundos. (1)

RTP SIC ocorrências tempo global RTP SIC
Media TV: 18,9 seg. 18,5 seg; 19,1 seg 82 min.
Inf. geral: 17,7 seg 16,3 seg; 18,3 seg 164 48 min. 13,9 min. 34,5 min.
Desporto: 19,6 seg 14 seg; 27,7 seg 17 5,5 min. 2,3 min. 3,2 min.
Política: 21,5 seg 23 seg; 19,3 seg 80 28,2 min. 14,9 min 13,2 min.
Media Radio: 26,6 seg

Média directo TV : Política: 33,7 seg

Média gravado TV: Política: 17,6 seg
Média Primeiro Ministro : Televisão: 30,6 seg
Num outro estudo, o Media Monitor de 2002, concluiu-se que «a duração média de todas as notícias em 2002 foi de um minuto e 55 segundos».

Saliente-se que uma notícia, por regra, tem a entrada (que é lida pelo apresentador do noticiário; texto do jornalista que fez a peça e um ou mais depoimentos.)

É face a estes dados que muitos políticos preparam os depoimentos resumindo a ideia central que pretendem transmitir a uma frase chave, a um ‘sound bite’. É uma frase curta, incisiva, clara e, melhor ainda, com ingredientes que lhe dêem impacto.( 2)

Esta é uma situação que, de certo modo, também interessa aos jornalistas de televisão e de rádio. É frequente eles pedirem aos entrevistados que não dêem respostas longas, que sejam concisos, porque lhes dá menos trabalho de edição.

Se por algum motivo o depoimento se prolongar, os políticos aproveitam um pretexto para repetir a ideia chave. Tudo é feito com naturalidade e com a ênfase adequada.

Tal como sucede nas entrevistas, quando da recolha de depoimentos, essencialmente se for em directo, são avaliados previamente os temas da actualidade que possam ser polémicos. É frequente alguns jornalistas aproveitarem a oportunidade para fazer um parêntesis e colocar uma pergunta sobre essas polémicas.
Muitas vezes, o resultado é que a notícia incide não sobre o tema em que, em princípio, versaria o depoimento mas para a outra questão que foi levantada. A frustração dos políticos é ainda maior quando isto sucede em «pseudo-acontecimentos» que prepararam para salientarem um determinado tema.

Em 13/01/2004 a comunicação social referiu logo pela manhã que o ministro da Educação não teria feita uma declaração de rendimentos às Finanças e ao Tribunal Constitucional. No mesmo dia, no Porto, Durão Barroso foi confrontado pelos jornalistas, quando estava envolvido em várias iniciativas dedicadas à Justiça. Deu a seguinte resposta: «o meu dia, hoje, é dedicado às questões da Justiça. Há pouco, fiz uma referência ao facto de uma das mais importantes reformas estruturantes do Portugal democrático ter passado quase despercebida. Por isso, compreendem que, se eu agora vou comentar qualquer notícia que hoje surja, por mais importante que seja, estou a descentrar a atenção daquilo que eu penso ser importantes transmitir ao país como mensagem». – Noticiário das 12h da Antena1

A pressa em prestar um depoimento pode também provocar uma situação ridícula. Por vezes a comunicação social solicita declarações sobre uma matéria cuja veracidade não está garantida. Diz a experiência que, nestas circunstâncias, o mais indicado é ninguém se pronunciar. O melhor é aguardar. Se for considerado muito importante fazer-se um comentário é vulgar recorrer-se à repetição da expressão “a confirmar-se a notícia…”.

Uma outra situação desagradável é que nem sempre é editado o depoimento. Com alguma frequência os jornalistas acabam por não reproduzir o depoimento. Umas vezes, porque ficou desactualizado, outras vezes porque é irrelevante e, por fim, em algumas circunstâncias, porque o jornalista acaba por inserir esse ponto de vista no próprio texto, sem a referência especifica ao seu verdadeiro autor (do ponto de vista pessoal pode ser frustrante, mas numa perspectiva de estratégia de comunicação, é a situação mais eficaz - significa que não só passou o ponto de vista, como acabou por nortear a perspectiva do próprio jornalista). Para alguns políticos há a frustração de não alimentar o ego e até protestam por terem sido excluídos. Este tipo de reacção propicia antipatias. Noutros casos em que o depoimento não foi editado, a resposta pode remeter a culpa para quem prestou a declaração porque não soube dar um depoimento que tivesse interesse para a audiência desse órgão de comunicação social.
Há ainda uma outra possibilidade que deve ser tida em conta, especialmente por quem ocupa cargos de responsabilidade. Devido às funções que exercem, estes dirigentes são frequentemente solicitados à entrada e/ou saída de reuniões. Em alguns casos, a fazer-se um levantamento, talvez seja possível concluir que parte significativa da exposição nos media, corresponde a este tipo de situação. Ou seja, a imagem pública de um dirigente pode ser fortemente condicionada por breves (mas repetidos) momentos e, ainda por cima, em situações que fogem do seu controlo. Até do ponto de vista físico: muita gente, muito ruído, vento, cenário inadequado… Maior é ainda o condicionamento porque, na ausência de outras imagens e depoimentos, quem mais recorre ao registo destes momentos, são as televisões. Saber dominar os improvisos, saber fugir às questões, passar por um batalhão de jornalistas… é fundamental nestes casos. Faz parte do “media training” a que recorrem muitos políticos e personalidades de outros sectores que habitualmente se confrontam com a presença de jornalistas.

Perante a suspeita ou a informação de que há jornalistas à porta, tentam ganhar algum tempo. Por vezes até fazem contactos para se inteirarem de algo que tenha ocorrido (ou recolhem informação dos assessores que já trocaram impressões com os jornalistas e têm uma ideia mais concreta das perguntas que podem ser colocadas). Antes do confronto com os jornalistas preparam as respostas para as perguntas que esperam que venham a ser feitas.
Para se conseguir um maior controlo na cobertura dos media, quem ocupa cargos importantes, mais tarde ou mais cedo, acaba por descobrir que tem de evitar ser apanhado em situações deste género.

Uma das possibilidades a que recorrem com frequência é anunciar que não há declarações e admitir apenas a recolha de imagens. Fotógrafos e operadores de câmara
estão breves momentos no local onde tem lugar o acontecimento.
As imagens que aparecem na TV são apenas aquelas que foram recolhidas durante escassos minutos. Nesse sentido, muitas estruturas de comunicação têm o cuidado de preparar o cenário, para que as imagens que vão ser editadas estejam em boas condições, quer do ponto de vista formal quer no que se refere ao conteúdo.
As pessoas que se encontram nesse local, durante a recolha de imagens, têm também uma preocupação cénica e, por regra, dizem futilidades devido ao receio dos microfones estarem ligados ou de algum repórter com ouvido mais atento.

Este condicionamento da captura das imagens é muito frequente nas visitas ao estrangeiro de chefes de estado e de governo. Como as televisões têm poucas oportunidades para a captura de imagens, estão dependentes dos poucos minutos que conseguem filmar. Sabendo disto, alguns líderes, quando saem do avião que os transportou, dão um aceno para as câmaras. Como se estivessem a saudar os populares que o foram receber. Não está lá ninguém. Só os jornalistas. Mas como, durante algumas horas, não há mais imagens, muitas vezes é o cumprimento do líder “à população que o foi receber” que acaba por ser editado.

(1) Estudos recentes citados em Election Campaigning de Dennis Kavanagh, mostram que as televisões cada vez dão menos tempo às declarações dos dirigentes políticos. Na campanha eleitoral britânica de 1992, as televisões deram um tempo médio de 18 segundos de excertos das declarações dos líderes. Nos Estados Unidos, em vinte anos, até 1988, as televisões reduziram o tempo médio de 42 para 10 segundos.

(2) Dois exemplos: festa do Pontal do PSD em 1994, onde Cavaco Silva lançou a frase “nós somos a diferença”. No final da sua intervenção, parte significativa das perguntas a que foi submetido foi sobre esta frase. Nos dias seguintes o mesmo se passou com comentadores políticos. Outro exemplo - 4 Outubro de 1997, António Guterres acusou a oposição de ser uma “fábrica de farturas”. No dia seguinte esta referência era ainda a notícia da TSF e da SIC, foi destaque no DN e provocou reacções de outros dirigentes partidários, com a resposta de Manuel Monteiro a chamar “rei das promessas” a António Guterres. A frase não morreu aqui. Quatro dias depois, na Assembleia da República, um deputado do PSD (Carlos Encarnação) disse que, agora já se percebia a piada das farturas: a referência era para o Ministro da Administração Interna - “o rei das farturas”.

publicado por rgomes às 19:59
link do post | comentar | favorito
|

.Índice

. Depoimentos

. 2.6 A hora certa

. 2.9 A importância da Tele...

. “Passar” bem na TV

Legislativas 2015
Legislativas 2011

.tags

. todas as tags

.links

.subscrever feeds