Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Comunicação Política

Comunicação Política

18
Fev11

2.9 A importância da Televisão

rgomes


A TV é muito importante. Todos reconhecem que se trata de um meio vital para a difusão da mensagem política. Há mesmo quem afirme que só a experiência pessoal é mais importante do que a TV na formação da opinião.

«A sociedade do espectáculo, de que falava Guy Debord, implantou-se definitivamente a partir dos anos 60 e a televisão, esse lugar mágico à frente do qual se reuniam as famílias, tornou-se o referencial pelo que se começou a guiar a política». Fernando Sobral, in Diário Económico; 11/08/2004

A importância da televisão é de tal forma determinante que alterou a forma de fazer política. (1)
Já faz parte do passado recorrer a grandes comícios, à mobilização frequente de pessoas para manifestações e a uma agenda sobrecarregada ao longo do dia para contactar o eleitorado.

Por outro lado, com a massificação dos aparelhos de TV em quase todas as casas, e com as pessoas a darem mais importância ao que é transmitido numa televisão do que, por exemplo, ao que se passa no Parlamento, é natural que a actividade política seja muito pensada em função das televisões.

O dia a dia das maiores organizações políticas é a preparação de eventos para obter uma reportagem de um a dois minutos nos telejornais.

Em campanha eleitoral as iniciativas mais importantes são concebidas para a televisão. O que se passa no palco é organizado em função da cobertura das televisões, e se o slogan fizer parte dos títulos dos telejornais é a «cereja no bolo».

Veja-se o relato no Público de um comício do PP: «Pouca gente, em Aveiro, no comício do CDS-PP .Uma estreia com cheirinho a fiasco (…) O comício estava marcado para as 18 horas, mas o seu início foi sendo adiado sucessivamente, sempre à espera da enchente de apoiantes que nunca chegou. (…) Estava já Nobre Guedes a “agradecer a Aveiro por ter respondido à chamada”, quando Portas surgiu em palco, de mangas de camisa e mãos na cintura, mesmo a tempo de entrar em directo no Jornal da Noite da SIC. (…) “Que outro partido senão o nosso, fora da campanha eleitoral e fora de Lisboa e Porto, trocava o conforto dos coliseus e teatros e vinha fazer um comício para a rua”?, perguntou, atento aos sinais que lhe eram feitos pelos membros da Jota - empoleirados no palanque dos jornalistas - sempre que a SIC entrava em directo.» Público – 10/05/98

Em Portugal esta importância é ainda maior, tendo em conta o elevado número de horas que os portugueses passam em frente do televisor, e também porque é reduzido o número de leitores de livros e jornais. Um estudo divulgado em Julho de 2004 revelava que apenas 13% dos portugueses tinha lido um livro no ano anterior. Nos países nórdicos esse valor variava entre os 60 e os 70%.

De todos os meios de comunicação, a televisão é o que exige uma mensagem menos racionalizada. A televisão não é para debater ideias. A televisão é espectáculo. Não é preciso imaginar, é desnecessário ler nas entrelinhas. O que está lá é tudo e o tudo é uma impressão.

«A televisão fixa impressões, ideias vagas, cria imagens, faz estereótipos, e só. Ao terminar a mensagem, o comunicador terá passado um conceito. “Ele é inteligente; é culto; é incapaz; é ridículo; etc.”. Raros telespectadores serão capazes de repetir o raciocínio que os impressionou» - Eduardo Portella Netto

É raro o espectador que questiona as imagens mostradas pela televisão. «Quase sempre partimos do pressuposto que as imagens representam a realidade. Uma vez aceites, as ideias que depois formamos na nossa cabeça servem de ficções que guiam os nossos pensamentos e acções.» (1)
E, de facto, o que mostra a televisão pode ser profundamente manipulado.

É significativa a capacidade de manipulação dos vários elementos constitutivos de um frame.

«O grande potencial da televisão é, em parte, devido aos seu carácter multimodal – isto é, o facto de ela operar ao mesmo tempo nos registos visual e sonoro, podendo usar simultaneamente a fala, a música, imagens e legendas para transmitir a sua mensagem – e em parte devido aos recursos técnicos – cortes, edição, mudanças de luz, etc. – que lhe permitem orientar a atenção do espectador para aspectos que se queira destacar. Bem exploradas, essas qualidades de televisão permitem a realização de propagandas políticas que saturam a capacidade de processamento de informações do espectador e abalam a sua capacidade de opor um sentido crítico às interferências que lhe são apresentadas. O modo como os recursos técnicos têm sido combinados na televisão acabou por criar uma “gramática do sentimento”, que conduz, por exemplo, o espectador a reagir negativamente diante da combinação de recursos tais como cortes abruptos de câmara, imagens a preto-e-branco e iluminação sombria, para não falar do efeito emocional causado pelo fundo musical ameaçador» - Kathleen Hall Jamieson em “Dirty Politics: Deception, Distraction and Democracy” citada por Silas Andrade.
Os profissionais contratados pelos políticos aprenderam a dominar estes recursos e técnicas, e parte do trabalho que produzem para televisão visa alcançar alguns dos efeitos referidos.

 

(1) La era de la propaganda – uso y abuso de la persuasión; Anthony Pratkanis, Elliot Aronson; Oaidós Comunicación; ; Barcelona; 1994

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D